• slideshow_large
  • slideshow_large
  • slideshow_large
  • slideshow_large
Noticias
Estudo aponta que de cada 10 pessoas assassinadas em 2011 no RS, sete tinham registro policial

Levantamento sobre 1.736 mortes ocorridas em 2011 revela violência além do tráfico de drogas

 

FRANCISCO AMORIM

francisco.amorim@zerohora.com.br

 

De cada 10 pessoas assassinadas ao longo do ano passado no Estado, sete tinham registros policiais como suspeitos de algum tipo de delito. Cinco foram executadas por causa do tráfico de entorpecentes. E praticamente todos conheciam seus algozes.


            O compêndio de dados sobre as vítimas de homicídios no Rio Grande do Sul é resultado de um estudo realizado pelo Departamento de Gestão Estratégica Operacional para subsidiar ações do governo do Estado para conter as mortes em 2012.

 

            Saiba mais: os números (nos percentuais ao final).

            Apresentada no final da semana passada ao secretário da Segurança Pública, Airton Michels, a pesquisa revela em 22 páginas não apenas o perfil das vítimas, mas quando e onde elas são mortas.

 

Entre seus apontamentos, o levantamento feito com base em 1.644 ocorrências policiais sobre 1.736 mortes - onde os jovens aparecem como principal alvo - está o de que 68% dos crimes se tratam de execuções em via pública, sendo que um em cada seis assassinatos ocorre das 18h de sábado às 6h de domingo.

 

- Esse estudo nos ajuda a compreender o fenômeno, ver onde estamos acertando e onde precisamos melhorar para diminuir o número de mortes - explicou o secretário-adjunto da Segurança Pública, Juarez Pinheiro, sem adiantar que medidas poderão ser implementadas a partir da análise do documento.

 

Zero Hora teve acesso com exclusividade ao documento, considerado de consumo interno pelos integrantes da pasta, na quinta-feira à tarde.

 

Ao dividir as informações com especialistas que se debruçam sobre o tema, ouviu deles que, mais do que surpresas ou novidades estatísticas, a pesquisa traz dados que reforçam a necessidade de se fazer o combate à criminalidade em duas frentes: repressão ao crime organizado e investimento em educação em áreas carentes.

 

- Ao se constatar que metade dos envolvidos são jovens, deve haver efetivo investimento em educação - defende professor de Direito Penal da PUC Rafael Canterji, coordenador regional do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais.


Número de mortes por motivos fúteis impressiona

           

Para os especialistas, o estudo aponta um dado importante: o tráfico está na origem de quase metade das mortes (47%), mas não da grande maioria como supunha-se. Um olhar atento à outra metade das mortes revela, por exemplo, 37% por motivos como brigas e desavenças.

 

Apesar de o levantamento ter como base apenas os 12 meses do ano passado, o que é considerado pouco para análises sociológicas mais profundas, o professor acredita que a informação é suficiente para que se reveja as políticas públicas de combate à violência baseadas apenas na repressão.

 

- A motivação diversa do tráfico é tão ou mais preocupante que aquela, pois demonstra que vivemos em uma sociedade que tem a violência na raiz. Precisamos, urgentemente, de uma cultura de paz - avalia.

 

Veja o que revelam os dados apresentados à Secretaria da Segurança Pública para subsidiar ações contra os homicídios em 2012

 

89,8% das vítimas é do sexo masculino. De 1.736 casos, 1.548 são homens.

 

73% – aproximadamente três em cada quatro vítimas – já haviam cometido crimes, nem todos graves. Ocorrências de lesão corporal, ameaça, calúnia, injúria e difamação somam 50% dos casos, enquanto delitos mais graves como porte de arma, tráfico e homicídio e somam 26%.

 

4% das vítimas, apenas, morreram pelas mãos de desconhecidos ou em confronto com a polícia.

 

Os demais conheciam os seus algozes. Um em cada cinco (18%) foi morto por um parente.

 

62,5% das vítimas do sexo masculino têm até 35 anos, e 50% menos de 30. Entre as vítimas mulheres, as mortes são menos concentradas entre jovens.

 

Proporcionalmente, são mortas quase o dobro de mulheres entre os 55 e os 59 anos (4,3%) do que homens (2,4%).

 

77% das mortes ocorrem com armas de fogo.

 

47% são vítimas da guerra do tráfico, enquanto 37% acabam mortos entre brigas e desavenças.

 

68% das mortes ocorre em via pública. Os horários em que mais são registrados crimes são à noite (63%) e nos finais de semana (39,2%).

 

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/policia/noticia/2012/02/estudo-aponta-que-de-cada-10-pessoas-assassinadas-em-2011-no-rs-sete-tinham-registro-policial-3671835.html
Versão para impressão
Preencha os campos abaixo e indique a um amigo:
Seu Nome:
E-mail do seu amigo:
 
 
página inicial | equipe | áreas de atuação | clientes/colaboradores | notícias | agenda | localização |links | fale conosco Desenvolvido por OnPlay